Como corrigir comportamentos inadequados com firmeza e amor?

Cada vez mais, novos estudos apontam e comprovam que as crianças, desde recém nascidas, tem características próprias. Alguns chamam de temperamento, outros de personalidade, mas o fato é que desde o nascimento as crianças já demonstram formas diferentes de agir e se relacionar com o mundo.

Isso já era sabido há muito tempo!

Basta conversar com mães e pais que tem mais de um filho. Eles relatam, que embora tentam agir de forma muito parecida com os filhos o retorno sempre é diferente. Desde os primeiros dias de vida! Temos a plena certeza que esses “pingos de gente” estão longe de ser uma folha em branco.

É claro que apesar de demonstrar sua forma de se relacionar, essas características não são – e não DEVEM ser – determinantes do comportamento.

Comportamento é aprendizado e relacionado com a presença e resposta do outro. Os pais precisam encontrar uma forma de canalizar essas características positivamente e construir um repertório comportamental extraindo o que seus filhos tem de melhor. Futuramente serão essas habilidades que vão favorecer estudos, trabalho e sucesso na vida adulta.

Mas ele já é assim desde que nasceu!

As características “natas” dos seus filhos correspondem ao grau de atividade, sensibilidade, concentração e humor que podem ser estimuladas positivamente e moldadas para uma relação saudável com o mundo.

Por isso é extremamente importante que você esteja atento a elas, saiba exatamente o que você considera correto, quais atitudes você valoriza e quais você não admite na educação dos seus filhos.

Estabeleça desde o nascimento as regras e os princípios que sua família acredita e os valores que vocês querem cultivar. E sim! Você deve corrigir os comportamentos inadequados do seu filho, de maneira firme, com coragem e amor.

Quando uma criança se comporta de maneira desrespeitosa e prejudicial consigo mesmo e com ou outros geralmente ela está testando a estabilidade dos limites. Ela quer verificar o quanto esses limites são verdadeiros e qual é a capacidade dos pais de colocá-los em prática.

Limites na visão infantil:

É como uma comparação de um guarda que gira a maçaneta de um estabelecimento comercial a noite. Embora ele tente abrir, no fundo espera que ela esteja trancada e segura.

Do mesmo modo, uma criança que desafia ativamente a autoridade dos pais, precisa receber em troca uma liderança firme e confiante. Apesar de um conflito inicial, essa atitude dos pais gera tranquilidade, segurança e conforto emocional a médio e longo prazo para os filhos.

Para corrigir os comportamentos dos seus filhos leve em conta os 6 pontos:

 1 – Defina os limites antes de exigi-los:

Um passo importante em qualquer proposta disciplinar e estabelecer antecipadamente e com clareza as expectativas e limites. A criança deve saber quais são e quais não são comportamentos aceitáveis antes de ser considerada responsável pelo cumprimento dessas regras.

2 – Quando você for desafiado ativamente, tenha determinação:

A partir do momento que a criança conhece as regras e as consequências dos seus comportamentos ela deve ser responsabilizada pelos resultados. O adulto deve conduzir com confiança, sem render-se ao conflito, sem perder a clareza, evitar gritos e descontrole emocional. Por isso falamos sempre da parceria entre os pais e formas de trabalhar sua emoção positivamente. Algumas crianças são mais insistentes que outras e tentam vencer seus pais pelo cansaço. E como têm energia essas crianças!!!! Por isso a importância de conhecer seus próprios limites de tolerância, frustração e paciência. Além de desenvolver seu autocontrole e estabelecer previamente os rumos da educação.

3 – Saiba diferenciar desafio às regras de imaturidade infantil:

Alguns comportamentos, levando em consideração a idade da criança não são efetivamente intencionais. Quando por exemplo uma criança de 15 meses vira o pote de frutinhas na mesa ou uma criança de 2 anos quebra um objeto da mesa de centro da sala ou mesmo uma criança de 4 ou 5 anos que esquece seus brinquedos do lado de fora da casa num dia de chuva. Os comportamentos que tem como intenção a exploração do ambiente ou a falta de responsabilidade em algumas faixas etárias podem sem considerados parte do processo de aprendizagem.

É importante avaliar o grau de desafio que existe nessas atitudes. Quando não for claramente intencional, não há necessidade de repreender. Mas sim, utilizar a situação como forma de ensinar sobre o que você espera da criança.

4 – Transmita tranquilidade e afeto após corrigir um comportamento.

Falamos de disciplina com coragem e amor. Seja firme naquilo que você se propõe a ensinar e corrigir seu filho. E quando superar o conflito, converse com ele de forma afetiva. Demonstre que você o ama e exatamente por isso quer ensiná-lo a ser melhor e se sentir bem com suas atitudes. Esse momento fortalece a confiança e união entre vocês. Aproveite para conversar, abraçar e relembrar momentos divertidos que vivenciaram juntos.

5 – Evite exigências impossíveis de cumprir:

As regras tem que ser ponderadas e gradativas, de acordo com a idade e características da criança. Mesmo nós adultos, quando temos uma meta muito distante do real, ficamos confusos, sem saber por onde começar e acabamos desistindo. Seja realista e dê pequenos passos de cada vez.

São nas pequenas conquistas diárias que fazem o crescimento das crianças algo fantástico de acompanhar e participar.

6 – Coloque o amor acima de tudo:

Sem ressentimentos, sem discórdia e com muita paciência os erros e desvios podem ser corrigidos gradativamente. Um relacionamento baseado no amor e na justiça é uma construção saudável e firme. É através do afeto verdadeiro e do respeito que as dificuldades são superadas e novos caminhos são traçados. Tenho certeza que esse é seu plano familiar! Que esses valores estejam presentes sempre no seu lar, na sua família e na sua relação.

Comece por aqui:

É extremamente proveitoso ter momentos em família, onde vocês possam conversar, opinar, discutir, criar projetos, pôr ideias em prática. Espero que vocês consigam alcançar essa meta! Entretanto na hora de tomar decisões sobre os caminhos da educação é você que sabe o que é melhor para seus filhos e você tem o direito de impor os limites necessários para o crescimento saudável e adequado deles.

Alguns pais temem que seus filhos deixarão de amá-los por isso, explicam, explicam na esperança de que a criança acabe concordando. Ao contrário! Já deixamos bem claro a importância de ser firme e demonstrar a que a disciplina deve ser feita com coragem e amor.

Não esqueça: A falta de cooperação e a indisciplina da criança nem sempre se deve à falta de informação. A partir do momento que a regra está estabelecida com clareza, não há necessidade de fazer discursos de explicações e convencimento. Tome uma postura mais pontual e direta, usando técnicas da comunicação assertiva e considerando as bases da educação que você construiu para sua família.

Saiba mais! Se esse texto fez sentido pra você, venha conhecer mais sobre o nosso projeto “8 Princípios para educar seus filhos >>> Clique aqui e veja tudo que você precisa para educar com disciplina e amor!

 

Participe da Discussão!

engajamentos

Deixe uma resposta