Como educar um filho feliz emocionalmente!

Ser pai, mãe, avô, avó e, além disso, um educador eficaz, não é fácil. Cada criança vem a este mundo com necessidades próprias que devemos saber atender, e emoções que devem ser incentivadas, orientadas e desenvolvidas. Portanto, saber como educar um filho nem sempre é uma resposta fácil de se obter e pôr em prática.

Educar não é apenas ensinar as crianças e serem respeitosas e gentis. É muito mais que tudo isso.

Educar também é saber dizer “não” quando necessário, mas ao mesmo tempo, compreender que educar não é apenas proibir.

Educar, acima de tudo, é abrir o coração para os nossos filhos e reforçar cada dia o vínculo emocional que temos com eles, dando a entender que estamos juntos em cada instante para proporcionar-lhes amor, carinho e afeto, formando-lhes pessoas felizes, capazes e promissoras.

Mas as dúvidas sempre prevalecem: como educar um filho neste dia a dia no qual não temos tanto o tempo que gostaríamos? Estou fazendo certo? E se eu não estiver fazendo o suficiente? E se eu estiver cometendo algum erro?

Tudo isso leva as mamães, em certas ocasiões, a desanimarem e não darem a continuidade correta ao crescimento saudável da criança.

Saiba aqui alguns pontos que podem auxiliar você a como educar os filhos de maneira compreensiva aos seus sentimentos.

Ajude-lhes a tomar decisões!

É compreensível que a falta de tempo por conta da correria do dia à dia, acabe afetando o relacionamento familiar e diminuindo o vínculo emocional entre você e seu filho. Mas, há pequenas coisas na sua rotina, que você pode e consegue evitar.

A televisão, os videogames, computadores, e toda essa vasta tecnologia, acabam muitas das vezes tirando o pouco tempo de convivência diária que lhes são disponibilizados.

Durante esse momento, a melhor forma de aproveitar é mantendo uma conversa. Perguntar como foi seu dia, como esta na escola… Compartilhae as suas experiências também!

Se eles tem algum problema, mostre respeito pela tentativa de resolução da criança!

Quando respeitamos o processo de conquista da criança sem interferir diretamente, ela aprende que pode continuar tentando sempre! Isso fortalece e alimenta a coragem para novos desafios. Para educar crianças felizes e com auto-estima, façamos isso com carinho, oferecendo-lhe autonomia.

Sabemos que é difícil vê-las com dificuldade e errando em algumas situações, quando podíamos estar ajudando-as. Mas este é o propósito! Do contrário, quanto mais bloqueamos suas tentativas, ou seja, seu processo de aprendizagem, mais demonstramos a elas que não são capazes, o que consequentemente baixa sua auto-estima, proporciona a formação da timidez, insegurança, ressentimento e raiva.

Mostre que falhas e fracassos fazem parte do ciclo da vida, e que tudo deve ser aprendido.É um momento de fazê-las se sentirem capazes e seguras de si mesmas, tendo sempre o nosso apoio e a nossa orientação em cada momento.

Ofereça-lhes sempre sua confiança, converse antes de ditar regras, escute-as antes de repreende-las e fale, fale tudo o que possa ter a ver com elas. Que elas jamais a vejam como um inimigo.

Tentar compensar o tempo perdido é outro erro!

Um erro muito comum entre os pais e mães de hoje em dia. Por passar pouco tempo com as crianças, muitas vezes os pais preferem ceder, ignorar e relevar situações importantes para evitar conflitos, sem ter que fazer exigências, ensinar regras, limites, estipular respeito e organização.

Mas, pior do que ter pouco tempo e disposição para dedicar-se aos filhos depois de um longo dia de trabalho, é ser dominado por um sentimento de culpa, compensação e permissividade.

Digo-lhe aqui um dos maiores equívocos dos pais: compensar a falta de tempo e atenção com presentes, com um brinquedos para a criança, o videogame que sempre pedem, um tablet, um celular… Este é um recurso fácil, porém não há nada que compense a atenção e o amor de um pai e uma mãe.

Mas afinal, como educar um filho emocionalmente forte e feliz?

Eduque-os com uma vida saudável. Saudável de amor, de carinho, compreensão… Se há pouco tempo para o momento em família, faça dele o melhor, o mais sincero!

Nestas situações, tente deixar mais de lado o trabalho, o celular, e as preocupações da sua vida. Desfrute do momento e do seu amado filho, afinal, todas as suas pequenas ações afetivas, valem para educar e tornas seus filhos crianças felizes, e, possivelmente, adultos promissores.

Participe da Discussão!

engajamentos

2 Comentários


  1. Tenho amado os assuntos apresentados. Tinha muitas duvidas como deveria agir com meu filho de 3 anos. É o meu primeiro e unico filho. Percebi quanto tempo gasto muito mais com celular e outros afazeres do que com meu filho, e quanta falta de paciência tenho com ele de vez em quando. Agindo totalmente egoísta e errado. Uns diziam: não pode mimar muito. Outros diziam: tem que dá umas palmadinhas de vez em quando. Acho que um ambiente de violência vai criar uma criança violenta. Mais a criança também precisa aprender a se defender do mundo, pois nem sempre eles vão encontrar amor e apoio lá fora. E aí? Enfim, acabei aprendendo que quem sabe o que é melhor pro meu filho sou eu e que a melhor lição pra ele é mesmo o amor!

Comentários encerrados.