Lidando com comportamento inadequado infantil!

O comportamento inadequado infantil, desafios e dificuldade de lidar com situações conflituosas causa uma frustração nos pais e principalmente um reforçamento no comportamento inadequado dos filhos.

Esse ciclo tende a crescer, enfatizado pela rotina acelerada da família, erros cometidos na educação, falta de tempo e motivação, atitudes impulsivas e dificuldade em instituir/aplicar regras de uma maneira assertiva. Cabe aos pais ou pessoas de referência colocar-se a disposição de corpo e mente para a melhoria destas atitudes.

Apesar de difícil, acima de tudo você deve manter a calma!

 

Angry mother scolding daughter clutchin teddy bear in living room

Gritar, berrar e xingar não resolvem o problema! Temos que encontrar o autocontrole para assim poder resolver a situação. Quando tomamos providências sem pensar nas possíveis consequências, acabamos resolvendo o problema ali, apenas no imediato, mas não de vez.

Portanto, rever conceitos para que sejamos mais rígidos em relação a isso, é muito favorável. Não digo que só por que você não vai dar aquele ‘basta’ como geralmente daria, que você não pode ser um pai firme e educador. Você será! Mas de uma forma que não afete o emocional do seu filho, e que não o deixe mais irritado.

Ajude seu filho a se expressar!

Há uma ponte direta entre os sentimentos e os comportamentos da criança. Há muitas atitudes que enfraquecem o vínculo que você deve ter com seu filho, por isso, coloque-se no lugar dos seus filhos e entre em sintonia com os sentimentos deles.

Quando tiver um acessos de raiva, bater, xingar ou morder, diga a criança que é normal se sentir desse jeito, que você também já passou por isso, e afirme que não é correto e legal se comportar desta maneira.

Mostre-o que melhor do que se comportar mal, é encontrar um melhor jeito de agir, como conversar com um adulto sobre como esta se sentindo.

Quando a criança comete algum erro, principalmente que prejudique outra pessoa ou cause transtornos é importante que ela saiba da consequência dos seus atos e tenha responsabilidade sobre eles.

Por exemplo: o pedido de desculpas. Faça ele ver e compreender que após alguma agressão, é importante que aconteça um pedido de desculpas. A lição ficará, e ele acabará criando o hábito de pedir desculpas quando fizer algo errado.

Ressalto aqui sobre um grande erro de muitos pais: as crianças se negam a desculpar-se, e certos pais e mães assumem o pedido de desculpas no lugar de seus filhos. Não devemos encobrir a responsabilidade da criança, ignorar o fato ou dizer que foi sem querer. Assim, formará mais chances dessas atitudes desagradáveis de repetirem.

Os limites devem ser claros, e rápidos!

Não espere seu filho cometer o mesmo comportamento inadequado pela quinta vez para só assim dizer-lhe que “agora deu!”.

Quando uma atitude é inadequada ou queremos que a criança cumpra uma regra é indispensável sim, a explicação e os motivos para a exigência. Mas isso não deve se estender além do momento da conversa. Ele deve saber que fez algo errado já na primeira vez!

Depois de um tempo, ele acabará relacionando o  comportamento inadequado com a consequência ruim, e aí, vai entender que se morder ou bater, acabará perdendo certas regelias.

Não o repreenda em público!

A teacher telling a student off

Manter a paciência durante um comportamento inadequado da crianças nem sempre é fácil!

Não repreender a criança em público não quer dizer que você não deva mostrá-lo o que pode e o que não pode fazer. O repreender descrito aqui, é expô-lo a uma bronca, a um aumento de nervosismo e a causa de um possível afeto no seu emocional.

Afinal, quem gosta de ganhar uma bronca na frente de todo mundo, certo? O ideal é fazê-lo pedir desculpas pelo que fez e levá-lo para um canto para explicar-lhe o que fez e o por quê!

Elogie o bom comportamento, mas na medida certa!

Elogio, incentivo e reconhecimento são aliados indispensáveis para a construção de um repertório comportamental adequado. Quando estamos realizados com o comportamento de um filho e queremos que essas atitudes se repitam, elogiamos, elogiamos e elogiamos.

Mas, se usado indevidamente, usado em excesso, sem critério, elogio para tudo e para todos, sem o envolvimento da criança na tarefa, torna-se vazio. Não contribui para reforçar o bom comportamento e pode influenciar a falta de empenho nas conquistas do dia a dia.

Muitas vezes os pais oferecem comentários positivos em abundância para seus filhos e sem relação com o comportamento. Sendo assim, o elogio perde sua função incentivadora.

Ou seja, o elogio precisa ser resultado de um esforço, deve ter algum significado de valorização. Caso contrário, a criança relaciona que se mesmo sem esforço obtem recompensa afetiva, nao há motivo para empenhar-se numa mudança comportamental.

Não tema procurar ajuda se necessário!

Ás vezes a agressividade de uma criança pode ultrapassar os limites dos pais.

Boy and young woman teacher during private home lesson

Não hesite em pedir ajuda! Não há mal algum nisto, só irá lhe favorecer. Se ele é muito agressivo e não respondeu a nenhum método de intervenção que você tentou, você pode recorrer a um pediatra, que pode recomendar um psicólogo ou especialista. Juntos, você adquire o auxílio necessário para lidar e ajudar a criança.

Participe da Discussão!

engajamentos