Saber se comunicar bem com seu filho faz toda a diferença!

A comunicação é o ponto fundamental para qualquer relação, em especial quando nos referimos à relação pais e filhos. Desde muito pequenas, as crianças já prestam atenção na forma como os adultos se comunicam ao seu redor e tentam interagir emitindo sons e expressões o tempo inteiro.

Além disso, as crianças estão atentas ao nosso tom de voz, postura e a forma como nos relacionamos. Elas estão buscando referências para aprender e entender o mundo a sua volta. Logo nos primeiros anos de vida desenvolvem amplamente o vocabulário e sua própria forma de se expressar.

A comunicação é certamente uma das vias mais significativas para se conectar com seu filho, e pode trazer resultados positivos ou negativos, dependendo de como é conduzida.

Uma comunicação assertiva, envolvendo palavras gentis, gestos de carinho, tom de voz e postura afetiva é essencial para a criança, para o seu desenvolvimento emocional e social. São nestes momentos que você recebe a grande chance de criar e fortalecer o vínculo com seu filho, construindo uma relação respeitosa, colaborativa e amorosa.

Além disso, você terá mais chances de alcançar seu objetivo, pois a criança estará mais receptiva e irá tornando-se mais colaborativa. É uma via de mão dupla! Você demonstra atenção, carinho e cuidado através do diálogo e ela sente-se valorizada, segura e menos resistente. Assim você encontra um caminho aberto para negociação e companheirismo.

Reserve também algum tempo do seu dia para conversar com seu filho. Quando somos capazes de ouvir e conversar com paciência, sempre obtemos bons resultados.

Desta maneira, uma sugestão é substituir ordens expressas: “Faça isso, faça aquilo” por atividades coletivas como: “Vamos fazer isso?”. Essa linguagem de inclusão parece algo simplista, mas na prática faz toda a diferença. Essa atitude faz com que seu filho se sinta mais conectado com a família, e deste modo, mais cooperativo.

Outra ideia é trocar frases de acusação como: “Você deixou a toalha jogada no chão” por frases que apontam para o comportamento: “Sua toalha ficou jogada no chão, vamos colocar no lugar?”. Assim, também é uma maneira de mostrar a criança qual é o comportamento errado, sem acusá-la ou criar rancor.

Como pai e mãe, sua tarefa é estar sempre presente na vida de seu filho. Conquiste e mantenha a confiança dele ouvindo-o, mostrando-se compreensivo, colocando-se no lugar dele quando algo o desagrada, e compartilhando também suas dificuldades.

É interessante mostrar para as crianças que nós compreendemos como elas se sentem, porque também já tivemos esses sentimentos. Mostrar que nós também temos dificuldades, sentimos raiva, tristeza, fracassamos, e deixar claro que tentamos superar. Deste modo, quando ela precisar de ajuda, saberá que seus pais também já passaram por algo parecido e pode contar com eles.

E lembre-se: Inibir um comportamento inadequado com raiva, gritos e palavras rudes não gera nenhum resultado positivo prolongado, apenas provocará na criança um sentimento desagradável. Diferente disso,  questionar a criança sobre seu comportamento e corrigi-lo de forma amável e paciente, criará na criança uma consciência comportamental, que lhe tornará mais cooperativa e aberta para compartilhar seus medos e dificuldades.

Crianças internalizam tudo o que ouvem, portanto comunicar-se de maneira assertiva é uma das mais importantes habilidades que os pais devem praticar. É o que fortalece o vínculo pai e filho, fortalece o emocional das nossas crianças, e além de tudo fortalece grandemente a harmonia familiar.

 

Participe da Discussão!

engajamentos